Categorias
Nutra-se

O que toda tentante, gestante e lactante precisa saber sobre o Ômega 3!

O melhor presente que você pode dar ao seu filho, é manter uma boa nutrição durante a gestação. O desenvolvimento fetal vai influenciar a saúde do seu bebê até a fase adulta. Um adulto saudável, física e emocionalmente, pode ser reflexo de uma gestação adequada em nutrientes. O bebê é nutrido, recebendo os nutrientes que necessita para crescer e se desenvolver de forma saudável, por meio do consumo alimentar da mãe. A deficiência de nutrientes da mãe, mesmo leve, pode prejudicar o desenvolvimento embrionário, se agravando ao longo do tempo e podendo ter um efeito na saúde do bebê que vai se arrastar por toda a vida.  O cuidado com a mãe também deve ganhar atenção, afinal a deficiência de nutrientes pode debilitar a saúde de quem precisa nutrir, alimentar cuidar de si e do seu bebê. O que toda tentante, gestante e lactante precisa saber sobre o Ômega 3, é que ele é um nutriente crítico em todas as fases da gestação e pós parto. Seu impacto na saúde da mãe e do bebê passa pela concepção, crescimento fetal e lactação.

Tentantes e mulheres que planejam engravidar

Tentantes são todas as mulheres que estão buscando por uma gravidez, ou seja, que estão iniciando as tentativas de engravidar, que interromperam seu método contraceptivo e junto ao seu parceiro tentam de forma espontânea engravidar. Esse termo também é usado para quem realizou algum tratamento para infertilidade e deseja engravidar o mais breve. O maior erro das tentantes é de não se preocupar com a alimentação e com a suplementação ainda nesta fase. Quem deseja engravidar, precisa cuidar da alimentação e iniciar a suplementação de nutrientes críticos como o Ômega 3 principalmente o tipo DHA e EPA. O consumo de Ômega 3 DHA e EPA é importante para o desenvolvimento fetal e para a saúde da mãe. Ele ajuda na manutenção das funções cardiovasculares da mãe, reduz os níveis de triglicerídeos e colesterol LDL, aumenta o HDL – que é o colesterol “bom”-, mantém a pressão arterial normal e ajuda no controle dos níveis de insulina.

Existe outro nutriente crítico para este período, que é o Ácido Fólico. O Ácido Fólico precisa estar disponível em altas quantidades, no momento em que houver a concepção. O Ácido Fólico, auxilia na formação do tubo neural durante a gravidez. Uma vez que o fechamento do tubo neural acontece logo nas primeiras semanas após a concepção, os seus níveis já devem estar em uma quantidade ideal, antes disso. Por isso, quem está na fase das tentativas, como precaução, por não saber exatamente quando vai ocorrer a fecundação, deve já estar suplementando o Ácido Fólico. Já se estima que a suplementação precoce com Ácido Fólico, pode prevenir até 70% dos defeitos do tubo neural em bebês. Ele também tem sido apontado para prevenir defeitos cardíacos congênitos, fissuras orofaciais, baixo peso ao nascer e nascimentos prematuros. É recomendada a adequação do consumo de Ácido Fólico, pelo menos quatro semanas antes da concepção.

A importância do Ômega 3 na gestação

Durante as primeiras semanas (2-8) de gestação, é o período de crescimento fundamental do feto, no qual, o estado nutricional da mãe e a disponibilidade de nutrientes dela, vai impactar diretamente o desenvolvimento embrionário, organogênese e o desenvolvimento neural. Especialmente o Ômega 3 DHA, é importante para sustentar uma gravidez saudável. Há um transporte ativo dele através da placenta para poder suportar as altas demandas de crescimento fetal, especialmente durante o último trimestre. Há uma concentração aumentada de Ômega 3 DHA transportado da corrente sanguínea da mãe para o cérebro do feto. Este é um processo que proporciona o desenvolvimento adequado do cérebro do feto, no qual há o acúmulo de alta concentração de Ômega 3 DHA no sistema nervoso.

No segundo e terceiro trimestre, os nutrientes que o feto recebe vão sendo acumulados para serem utilizados após o nascimento, sendo necessário o suprimento adequado de nutrientes durante toda a gestação. Alguns estudos associaram a suplementação de Ômega 3 DHA e EPA com maior duração da gestação, menor número de nascimentos prematuros, maior peso, comprimento e circunferência da cabeça ao nascer e menor número de internações de bebês. O aumento do consumo de Ômega 3 DHA e EPA ainda está associado a uma redução de 11% no risco de nascimento com menos de 37 semanas e risco diminuído em 42% para nascimento com menos de 34 semanas.

O Ácido Fólico, também é importante nesta fase para suportar a eritropoiese, que é o processo de produção de células vermelhas que vai aumentar rapidamente o volume sanguíneo da mãe na preparação para o feto.

Ômega 3 no pós parto e para lactantes

O pós parto é um período em que se enfrenta muitas alterações físicas e principalmente emocionais, o que vai resultar em mudanças nas necessidades nutricionais.

O Ômega 3 DHA e EPA são relevantes para a saúde mental, pois são fundamentais para o desenvolvimento cerebral e funcionam em todas as fases da vida. Alguns estudos mostraram a associação entre o menor consumo de baixos níveis de Ômega 3 DHA e EPA com maiores taxas de depressão pós-parto e aumento do risco para transtornos de humor materno.

Por isso, a suplementação no pós-parto com Ômega 3 DHA e EPA, vai trazer benefícios para mãe e no caso de lactantes, trará benefícios para o desenvolvimento da primeira infância.

No período de amamentação do bebê, o Ômega 3 DHA e EPA da mãe, vem exclusivamente da sua alimentação. O Ômega 3 DHA e EPA que a mãe consome, vai ser repassado ao bebê por meio do aleitamento materno. Portanto, o leite materno vai fornecer quantidade adequadas de Ômega 3 DHA e EPA, se a mãe mantém um consumo adequado e regular de peixes de águas frias e profundas – que são as fontes mais ricas de Ômega 3 DHA e EPA -, ou se ela mantém o consumo através de suplementação.

Um estudo que analisou os níveis de Ômega 3 no leite materno, observou que a ingestão atual (com base em registros alimentares de três dias) não teve relação com níveis do leite materno, mas que a ingestão habitual (com base na frequência do consumo alimentar) influenciou significativamente a concentração de Ômega 3 no leite materno. Isso significa que, para influenciar nos níveis do leite materno, o Ômega 3 precisa ser consumido com frequência e constância.

Por isso, a suplementação com Ômega 3 DHA e EPA para lactantes pode ser recomendada, para manter os níveis de Ômega 3 aumentados no leite materno e assim, contribuir para o desenvolvimento normal do cérebro e da visão dos bebês.

Os primeiros 1.000 dias de vida!

Você já ouviu falar que os primeiros 1.000 dias de início de vida, são cruciais e determinantes para o desenvolvimento do bebê?

Este é um período que vai da concepção até os dois anos da criança.

A ingestão ideal de nutrientes durante os primeiros 1000 dias é fundamental para o bem-estar da mãe e do bebê. A adequação nutricional durante todo esse período, vai dar suporte para o crescimento e desenvolvimento saudável do bebê e todo o crescimento infantil e vai ajudar na saúde da mãe em todas as fases. A falta de nutrientes essenciais durante os primeiros 1.000 dias de vida, pode acarretar em falhas no desenvolvimento do bebê como um déficit na função cerebral.

A suplementação deve servir para trazer benefícios ao bebê e a sua formação, além de agregar saúde à mãe, que passa e passará por muitas mudanças fisiológicas e emocionais.

O Gestan Upper é um suplemento com óleo de peixes criados em águas frias e profundas, que possui certificação técnica de pureza, qualidade e níveis de de metais pesados. Ele também oferece o Metilfolato que é o Ácido fólico ou Vitamina B9 em sua forma mais ativa. Ele é visa oferecer o Ácido fólico (Vitamina B9) em sua forma mais ativa e adequar as necessidades diárias de ácidos graxos essenciais Ômega 3 DHA e EPA, que por ventura possam não estar sendo suficientemente oferecidos por meio da alimentação. Levando em consideração a importância que esses nutrientes exercem na saúde de tentantes, gestantes e lactantes, a suplementação de Ácido fólico e Ômega 3 DHA e EPA pode ser indicada.

Referências:

Beluska-Turkan, K., Korczak, R., Hartell, B., Moskal, K., Maukonen, J., Alexander, D. E., Salem, N., Harkness, L., Ayad, W., Szaro, J., Zhang, K., & Siriwardhana, N. (2019). Lacunas nutricionais e suplementação nos primeiros 1000 dias. Nutrients, 11(12), 2891.

Blencowe H., Cousens S., Modell B., Lawn J. Folic acid para reduzir a mortalidade neonatal de distúrbios do tubo neural. Int. J. Epidemiol. 2010; 39(Suppl. 1):110-121. 

Bzikowska-Jura, A., Czerwonogrodzka-Senczyna, A., Jasińska-Melon, E., Mojska, H., Olędzka, G., Wesołowska, A., & Szostak-Węgierek, D. (2019). A concentração de ácidos graxos Ômega-3 no leite humano está relacionada à sua ingestão habitual, mas não atual. Nutrientes, 11(7), 1585.

Carlson S.E., Colombo J., Gajewski B.J., Gustafson K.M., Mundy D., Yeast J., Georgieff M.K., Markley L.A., Kerling E.H., Shaddy D.J. DHA suplementação e resultados da gravidez. J.J. Clin. O Nutr. 2013; 97:808-815.

Czeizel A.E., Puho E.H., Langmar Z., Acs N., Banhidy F. Possível associação de suplementação de ácido fólico durante a gravidez com redução do nascimento prematuro: Um estudo de base populacional. Eur. J. Obstet. Gynecol. Reprod. Biol. 2010; 148:135-140.

Elagizi A., Lavie C.J., Marshall K., DiNicolantonio J.J., O’Keefe J.H., Milani R.V. Omega-3 Poli-insaturados Ácidos Graxos e Saúde Cardiovascular: Uma Revisão Abrangente. Prog. Cardiovasc. Dis. 2018; 61:76-85. 

Fekete K., Berti C., Trovato M., Lohner S., Dullemeijer C., Souverein O.W., Cetin I., Decsi T. Efeito da ingestão de folato sobre os desfechos de saúde na gravidez: Revisão sistemática e meta-análise sobre peso ao nascer, peso placentário e duração da gestação. Nutr. 2012; 11 

Kelly Y., Sacker A., Marmot M. Nutrição e saúde respiratória em adultos: Achados da pesquisa de saúde para a Escócia. Eur. Respir. J. 2003; 21:664-671.

Makrides M., Gibson R.A., McPhee A.J., Yelland L., Quinlivan J., Ryan P. Effect of DHA supplementation during pregnancy on maternal depression and neurodevelopment of children young children: A randomized controlled trial. Jama. 2010; 304:1675-1683.

Olsen S.F., Halldorsson T.I., Thorne-Lyman A.L., Strom M., Gortz S., Granstrom C., Nielsen P.H., Wohlfahrt J., Lykke J.A., Langhoff-Roos J., et al. Plasma Concentrações de Ácidos Graxos de Cadeia Longa N-3 no início e mid-pregnancy e risco de nascimento precoce. A EBioMedicine. 2018; 35:325-333.

Péter, S., Eggersdorfer, M., van Asselt, D., Buskens, E., Detzel, P., Freijer, K., Koletzko, B., Kraemer, K., Kuipers, F., Neufeld, L., Obeid, R., Wieser, S., Zittermann, A., & Weber, P. (2014). Nutrientes selecionados e suas implicações para a saúde e doença ao longo da vida: um roteiro. Nutrients6(12), 6076-6094.

Schwarzenberg S.J., Georgieff M.K. Advocacy for Improving Nutrition in the First 1000 Days to Support Childhood Development and Adult Health. Pediatria. 2018:141.

Smuts C.M., Huang M., Mundy D., Plasse T., Major S., Carlson S.E. Um ensaio randomizado de suplementação de ácido docosahexaenóico durante o terceiro trimestre de gravidez. Gynecol. 2003; 101:469-479.

Van Beynum I.M., Kapusta L., Bakker M.K., den Heijer M., Blom H.J., de Walle H.E. Efeito protetor de suplementos de ácido fólico periconcepção sobre o risco de defeitos cardíacos congênitos: um estudo de controle de caso baseado em registro no norte dos Países Baixos. Eur. Heart J. 2010; 31:464-471.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.