Categorias
Bem estar Suplementos

Conheça os principais tipos de Magnésio e a diferença que existe entre eles

O mineral magnésio está entre os nutrientes mais importantes e mais demandados pelo nosso organismo. Quando falamos em “alta demanda”, quer dizer que é possível encontrar ele em muitos órgãos e que também está envolvido em muitas funções.

Quanto mais aplicação tem um mineral, certamente mais o nosso corpo vai precisar dele para exercer a suas funções de maneira correta e sem nenhum prejuízo. Diferente de outros compostos, o nosso corpo não é capaz de produzir o magnésio, por isso, ele precisa ser oferecido pela alimentação ou pela suplementação.

Sendo a suplementação uma opção, é possível encontrar alguns tipos ou formas químicas de magnésio, por isso, neste post, os principais tipos de magnésio e a diferença que existe entre eles.

Qual o papel do magnésio no organismo?

Há um aumento no interesse no papel do Magnésio em muitos estudos clínicos, pois ele afeta muitas funções celulares, transporte de íons, metabolismo de energia, proliferação celular e reações enzimáticas.

O papel do mineral Magnésio no organismo é muito extenso e boa parte está envolvida na ativação de reações bioquímicas em muitos sistemas. O Magnésio participa da produção de energia (ATP), é importante para o metabolismo do: cálcio, potássio, fósforo, zinco, cobre, ferro, chumbo, sódio, cádmio, ácido clorídrico, acetilcolina, óxido nítrico….

Ele é importante no equilíbrio intracelular, no controle da excitabilidade cardíaca, do tônus vasomotor, da pressão sanguínea, e da transmissão neuromuscular, sendo necessário para o transporte de potássio e a atividade dos canais de cálcio. Atua na manutenção dos ossos, músculos, articulações e é fundamental para manter as funções cerebrais.

Quais os tipos mais comuns de Magnésio?

Se tratando de suplementos, é possível encontrar no mercado diferentes tipos de magnésio para consumo. Apesar de todos terem a mesma finalidade, que é oferecer o magnésio para aquelas pessoas que não conseguem suprir a sua necessidade por meio da alimentação, existem diferenças entre cada um deles.

A começar pela estrutura química, todos se diferenciam pelo componente que acompanha o mineral magnésio, ou seja, eles são ligados à outras moléculas, tornando-se mais complexos. Basicamente, o que vai definir a diferença e aplicação de cada um deles, será a associação com um segundo ingrediente.

Os tipos mais comuns de magnésio são: Magnésio Dimalato, Magnésio Quelato, Magnésio L-Treonato, Citrato de Magnésio, Cloreto de Magnésio P. A., Taurato de magnésio e Óxido de magnésio.

Diferença entre os tipos de Magnésio:

Magnésio Dimalato: É o mineral magnésio quelado com ácido málico. Ele tem excelente biodisponibilidade para o organismo e é um dos suplementos de magnésio mais procurados e consumidos.

O ácido málico é um composto orgânico que desempenha papel fundamental na produção de energia no Ciclo de Krebs. Por isso, o Magnésio Dimalato possui todos os benefícios que o magnésio pode oferecer e a associação com ácido málico, faz dele um suplemento para que busca mais energia e disposição, para quem pratica atividade física, para quem sofre com fibromialgia,TPM, dores articulares e insônia.

Magnésio Quelato ou Magnésio Glicina: É o mineral magnésio quelado ao aminoácido glicina. Essa associação com a glicina faz dele um excelente suplemento, por facilitar a absorção e aumentar a disponibilidade e aproveitamento do magnésio dentro do organismo.

Esse processo de quelação protege o magnésio permitindo que ele passe por todas as etapas de metabolização, sem que ele sofra qualquer reação indesejada nesse processo.

O magnésio consegue passar por todas as barreiras de digestão e chega intacto ao local de absorção no corpo humano. Sendo um suplemento muito recomendado por profissionais da saúde e tem um excelente custo x benefício. O Magnésio Quelato é muito utilizado por quem sofre com pressão alta, problemas cardíacos, ansiedade, estresse, enxaqueca e osteoporose.

Magnésio L-Treonato MAGTEIN™: Nesta forma o magnésio está quelado ao aminoácido L-Treonina. O magnésio se torna capaz de atravessar a barreira hematoencefálica, chegando até as camadas do cérebro.

A L-Treonina também serve como um guia para sinalizar a chegada do magnésio até o seu campo de atuação. Com isso, a sua atuação torna-se mais específica e relacionadas as atividades cognitivas e todas as funções relativas à bioquímica e saúde do cérebro.

Logo, o Magnésio L-Treonato MAGTEIN™ é utilizado para melhorar as funções cognitivas (memória, aprendizagem, concentração, capacidade de trabalho), para insônia, ansiedade e depressão.

Citrato de Magnésio: Magnésio associado ao ácido cítrico. Nesta forma, o magnésio é melhor digerido e absorvido pelo organismo. Excelente forma de suplemento para quem busca repor o mineral magnésio que o corpo necessita, pois o seu consumo prolonga e eleva os níveis de magnésio no organismo.

Normalmente, o Citrato de magnésio é utilizado para melhorar a digestão, evitar a constipação, para manutenção óssea, muscular, cardiovascular e do sistema nervoso e aumentar a disposição.

Cloreto de Magnésio: Nesta forma, o magnésio está associado a íons de cloro, um composto químico importante para o bom funcionamento do organismo.

O cloro ajuda a “segurar” o sangue dentro dos vasos, conduz transmissões nervosas, é fundamental para a produção de ácido clorídrico no estômago, atua na contração e relaxamento dos músculos.

O Cloreto de Magnésio P. A. tem boa disponibilidade para o organismo, sendo muito bem reconhecido e assimilado por órgãos e sistemas dependentes de magnésio. Em pó diluído em água, não possui boa tolerância por apresentar gosto forte e ruim.

Entretanto, ele pode ser encontrado na versão em cápsulas, que possui excelente tolerância e garante um consumo diário na proporção adequada de Cloreto de Magnésio P. A. Ele pode ser utilizado para reposição do magnésio de maneira geral e para melhorar a função digestiva, prevenir câimbras e lesões musculares, para quem tem pressão alta e arritmias cardíacas.

Taurato de Magnésio: É o mineral magnésio quelado ao aminoácido Taurina. A Taurina é um aminoácido essencial encontrado em muitos tecidos com maior concentração no músculo esquelético e cardíaco e, que tem grande atuação no sistema nervoso central. Na forma de Taurato de Magnésio, por ser uma molécula quelada, possui alta biodisponibilidade, sendo importante para diversas funções na bioquímica cerebral, inclusive relacionado ao papel de neuroproteção. Além disso, o Taurato de Magnésio é um aliado no controle da pressão arterial e protetor do coração. Ele é indicado para ajudar no sistema cardiovascular e melhorar as funções cognitivas como atenção e memória. Ele também tem relação com a melhora da disposição, ansiedade e depressão.

Óxido de magnésio: Nesta forma o mineral magnésio não está quelado, sendo que ele é formado por uma ligação iônica com um átomo de oxigênio. Possui baixa biodisponibilidade, sendo absorvido em uma proporção de cerca de 40% do total consumido.

Apesar de ter um custo menor, não é o melhor investimento quando falamos em suplementação de magnésio, pela sua taxa de absorção ser menor.

Ele pode ser utilizado em quadros de má digestão, dor estomacal, alívio da azia e para efeito laxante. Não é recomendado o seu consumo a longo prazo e ele pode ter efeitos colaterais como náuseas e cólicas. 

Para quem é indicada a suplementação de magnésio?

O Magnésio é um mineral que deve ser oferecido diariamente por meio da alimentação habitual. Na população geral, a deficiência de Magnésio provavelmente ocorre devido à ingestão de quantidades menores que a necessidade para manter valores intracelulares adequados e, na população idosa, por diminuição do apetite. Isso significa que, quando há um consumo insuficiente às necessidades orgânicas de magnésio, ele deve ser suplementado.

De maneira geral, ele pode ser indicado para quem não consegue consumir diariamente boas fontes de magnésio por meio da alimentação, que é principalmente verduras, leguminosas, grãos e cereais integrais. Ou ainda, quando há um alto consumo de produtos refinados e industrializados.

Na presença de hipertensão arterial, arritmia cardíaca, risco para osteoporose, mulheres na menopausa, problemas digestivos, Diabetes, praticantes de atividades físicas, idosos, pessoas que fazem uso de diuréticos ou consomem cafeína em excesso, insônia, fibromialgia, depressão, ansiedade e problemas cognitivos (memória, aprendizagem, concentração).

Seja qual for o suplemento de magnésio escolhido, a sua principal função, vai ser a reposição deste mineral que é essencial para mais de 300 reações bioquímicas dentro do organismo.

Lembrando que, a indicação de suplementação deve sempre ser orientada e acompanhada por um médico ou nutricionista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *